x

Posso ajudar?

Posso ajudar?

Mera coincidência

 

Você pensa em uma pessoa que não vê há tempos e ela liga para você no mesmo dia ou semana; chega ao cinema e descobre que sua melhor amiga escolheu roupas quase idênticas às suas.

 

Você pensa quão triste ficaria se seu canarinho morresse e, horas depois, ele está morto, patinhas para cima. E você acha que foi culpa sua --o matou com seu pensamento, assim como "chamou mentalmente" a pessoa que não via há tempos e enviou sinais telepáticos para sua amiga.

 

Mas tudo não passa de mera coincidência. Essas associações aparentes são exemplos daquelas coincidências que, dado tempo e oportunidades suficientes, vão acontecer por uma simples questão de estatística.

 

Pense em todas as outras vezes em que você se lembrou de alguém, encontrou sua amiga ou contemplou a morte eventual de seu bichinho (ele vai morrer cedo ou tarde e provavelmente antes de você; e, quanto mais gostar dele, mais aventará a possibilidade da sua morte naquele dia) --e nada aconteceu. Foi só coincidência.

 

E, no entanto, não só registramos o fato como especial como ainda assumimos agência sobre ele, criando uma relação de causa e efeito: algo aconteceu porque você pensou ou fez alguma coisa em particular. Você, com suas ações ou pensamentos, foi o agente daquela coincidência.

 

Por que damos tanto valor ao que é apenas estatisticamente esperado que aconteça de vez em quando por pura... coincidência?


Justamente porque são eventos associáveis.

 

É assim que o aprendizado acontece: conforme o cérebro associa eventos, sejam eles dois fatos (Brasil, capital: Brasília) ou uma ação e um fato (tocar este botão acende a luz do teto; pensar assim faz meu dedo chegar à boca ou a sobrancelha esquerda levantar). Essas últimas associações são especialmente notáveis, pois são as que nos situam como agentes no mundo e, possivelmente, formam a base da autoconsciência.

 

Se seu corpo se move e seu cérebro encontra nele os mesmo sinais de preparação da ação associados, ele conclui que ele (você) foi o agente daquele movimento.

 

Da mesma forma, se algo acontece no seu corpo ou ao seu redor que pode ser associado temporalmente a um estado mental particular seu, você também foi o agente daquele movimento --é a conclusão automática à qual seu cérebro chega. Mesmo que tenha sido mera coincidência...

 

Fonte: Folha de S.Paulo
Autora: Suzana Herculano-Houzel
Neurocientista
Professora da UFRJ 
Autora de "Pílulas de Neurociência Para Uma Vida Melhor”
Blog: www.suzanaherculanohouzel.com

Tags: "cérebro"

Please reload

Posts em destaque

Tratamento cirúrgico da dor crônica

October 2, 2018

1/10
Please reload

Recent Posts
Please reload

Arquivo
Pesquisar por tags
Please reload