x

Posso ajudar?

Posso ajudar?

 

Dirigindo do lado errado


dirigindo-lado-errado.jpg

O desafio, na estrada, assim como na vida, é aceitar um novo ponto de vista.No Brasil, nós nos acostumamos a ver a estrada do seu terço esquerdo atrás do volante. No Reino Unido, o motorista tem que ficar no terço direito da estrada.


Quando meu cingulado parou de antecipar a catástrofe e aceitou como a nova realidade dirigir do lado esquerdo da rua, é que me dei conta do verdadeiro desafio de dirigir do outro lado --e que explica a atração de meu marido pela calçada.Entrar com o carro na estrada, contudo, faz meu córtex cingulado anterior soar todos os alarmes, como numa piada de português: "Mas são uns loucos, estão todos dirigindo na contramão!".


A essa altura, também já tinha entendido a lógica das rótulas e os comandos do GPS (muito educados, por sinal: "por favor, vire à direita"), então eu tinha um problema a menos para resolver.

Logo chegou minha vez ao volante, e descobri que usar o outro lado do cérebro para trocar as marchas até que não é problemático.


Para meu cérebro, estava tudo errado, desde ver meu marido dirigindo no que deveria ser o banco do carona até me ver perto demais da calçada esquerda --que ele atropela algumas vezes no caminho.

Enquanto ele dirigia os primeiros minutos usando todo seu acervo de expletivos para expressar o esforço cognitivo de repetir mentalmente "ficar à esquerda, ficar à esquerda", usar braço e mão esquerdos para fazer movimentos nunca dantes feitos e ainda negociar o GPS comandando intermináveis sequências de rótulas na rua, eu não conseguia parar de rir.


Meu marido se aventurou primeiro, antecipando a visita a destilarias que me colocaria ao volante dali em diante.


Mas o que eu queria era mesmo a transmissão manual. Afinal, por que perder a oportunidade de colocar nosso cérebro duplamente à prova: ter que usar a outra mão (e portanto o outro lado do cérebro) para trocar as marchas e ainda ter que dirigir do outro lado da rua?


O aluguel de um carro com transmissão automática custava o triplo do carro básico, o que acabou enterrando definitivamente a alternativa mais fácil.


Estávamos eu e meu marido na Escócia para o TEDGlobal e tínhamos um único dia livre antes do evento. Resolvemos então dar uma volta desde o litoral até o começo das Highlands, aproveitando que nessa época do ano o Sol brilha até depois das 22h. Um único e pequeno porém: lá se dirige "do lado errado" da estrada.


Fonte: Folha

Autora: Suzana Herculano-Houzel Neurocientista Professora da UFRJ Autora de "Pílulas de Neurociência Para Uma Vida Melhor” Blog: www.suzanaherculanohouzel.com

#cérebro

Posts em destaque
Recent Posts